Honda C-100
Dream
   
Honda CBX 250
Twister
     
 Motos Raras
& Clássicas
Sundown Hunter 90 Sundown STX
Motard
Yamaha Ténéré 250
     Mapa do site

Bookmark and Share

English 

Yamaha XTZ 250 Ténéré Blueflex  2017: Passeios e Viagens em 2017

Já havia bastante tempo que eu vinha observando a evolução da Yamaha Ténéré 250 no mercado brasileiro das motos trail de pequeno porte. Pelo fato de ter vários amigos que possuem esse modelo de moto, e que estão satisfeitos com o desempenho delas, eu também decidi optar por esse modelo da Yamaha para dar continuidade às minhas viagens e aventuras motociclísticas.

Resolvi então retornar à marca dos três diapasões por alguns motivos básicos, quais sejam: a Yamaha Ténéré 250 tem um porte adequado e uma boa autonomia (isso é o mínimo que se espera de uma moto trail de pequeno porte), o seu design possui linhas agradáveis e melhorou muito em relação às primeiras que foram lançadas no mercado – principalmente com as correções que fizeram na traseira da moto.  Aliás, eu nunca gostei do design da traseira dela, até que o modificaram em Maio de 2016.

Além disso, tenho observado o bom desempenho e durabilidade dos motores da Yamaha – mais especificamente citando os de 250cc (Fazer e XTZ).

Dessa forma, eu que tive duas motos Yamaha - ainda no auge dos motores dois tempos - no início dos anos 1970 (Yamaha YF5, e posteriormente Yamaha YDS7), decidi voltar à marca japonesa que me proporcionou ótimas emoções entre os anos de 1970 a 1974. 

Assim eu me dirigi à revenda Belcar Motos em Goiânia - GO, onde fui muito bem atendido pelo amigo Manoel Augusto R. Bandeira (Manoelzinho) e demais funcionários dessa revenda Yamaha, e adquiri uma Yamaha XTZ 250 Ténéré Blueflex, ano e modelo 2017. Com essa moto pretendo fazer grandes viagens e passeios a partir de agora em diante.

Ao clicar em cada foto, você a verá em tamanho maior numa outra janela.  Todas as fotos tem legenda.

A minha Yamaha Téneré 250 após ter sido montada; no pátio da Belcar Yamaha em Goiânia - GO.

A minha Yamaha Téneré 250 após ter sido tirada do engradado e montada; no pátio da Belcar Yamaha em Goiânia - GO.

Especificações Técnicas - Yamaha XTZ 250 Ténéré Blueflex 2016 a 2018:

https://fichatecnica.motosblog.com.br/FichaTecnica/Yamaha/XTZ_250_Tenere_Blueflex_2016




Finalmente na tarde do dia 16/03/2017 eu fui buscar a minha moto nova na Belcar Motos; a mesma me foi entregue pelo vendedor Manoel Augusto (Manoelzinho) e pela Gerente Geral Claudia Lemos.

Momento em que eu recebia a Yamaha Téneré 250 na loja da Belcar Yamaha em Goiânia - GO.

A Yamaha Téneré 250 sendo entregue para mim na loja da Belcar Yamaha em Goiânia - GO.

Já comecei a instalar alguns equipamentos básicos na mesma de forma a torná-la preparada para grandes viagens que pretendo fazer.

Álbum de fotos - Yamaha XTZ 250 Ténéré Blueflex 2017:


https://onedrive.live.com/?id=F4596AEAEF09CF68%214539&cid=F4596AEAEF09CF68

Como sempre faço com todas as motos novas que adquiro eu as coloco na estrada para amaciar o motor. Assim sendo, no dia 26 de Março de 2017 (Domingo) participei de um passeio com os amigos na BR-060, no trecho entre Goiânia-GO e Alexânia - GO. O amigo Mauro Gomes organizou o passeio, nosso grupo (dez pessoas) se deslocou em seis motos (três Yamaha XTZ 250 Ténéré, uma Yamaha XTZ 250X Lander, uma Yamaha Crosser 150, e uma Kawasaki Vulcan 650).

No sábado (25/03/2017) eu já havia calibrado os pneus de minha moto com nitrogênio, procedimento esse realizado visando rodar com os pneus mais frios e consequentemente aumentando a durabilidade dos mesmos. Eu já utilizo nitrogênio para calibrar os pneus de minhas motos há mais de vinte anos.

Além disso estou usando gasolina de boa procedência, e o aditivo para gasolina Bardahl Max Top na proporção de 50ml para cada tanque cheio de 16 litros. Dessa maneira o recipiente do aditivo que contém 200ml é suficiente para quatro tanques cheios da
Yamaha XTZ 250 Ténéré.

Esse aditivo conserva limpo o sistema de alimentação do motor a gasolina, por isso reduz os custos de manutenção do veículo, como limpeza e regulagem do motor. Mantém lubrificadas as partes altas do motor, válvulas, pistões, anéis, bicos injetores ou carburadores e velas. Proporciona economia de combustível e reduz a emissão de poluentes.

No dia 1o de Abril de 2017 (sábado) abasteci a minha Yamaha Ténéré 250 e calculei o consumo dos primeiros quinze dias de utilização da mesma, eu havia rodado 326,5 quilômetros com 8,58 litros de gasolina; isso resultou na excelente média de 38,05 km/litro.  Desse total rodado, 261 quilômetros foram totalizados em rodovia (no passeio acima mencionado a Alexânia - GO).

Quando a minha moto estiver completamente amaciada (após os 5.000 quilômetros rodados) eu pretendo alcançar médias de consumo em torno dos 40 km/litro; isso quando estiver rodando em condições normais em estradas asfaltadas, em velocidades na faixa de 90 km/h a 110 km/h.

No sábado, dia 15 de Abril de 2017, reunimos um grupo de amigos e fomos a Morrinhos - GO passando pela rodovia BR-153.  Visitamos o evento motociclístico anual que acontece lá por ocasião da Semana Santa, e de lá passamos por Piracanjuba - GO onde almoçamos e em seguida retornamos a Goiânia - GO. Aproveitei esse passeio de aproximadamente 300 quilômetros para continuar amaciando o motor da minha
Yamaha Ténéré 250.

Álbum de fotos da Yamaha Ténéré 250.

Álbum de fotos da Yamaha Téneré 250 em diversas situações (passeios, viagens, etc.)

Ao abastecer a moto no dia seguinte (domingo) eu fiz os cálculos e constatei que havia percorrido desde a última abastecida a distância de 325,8 quilômetros com 9,09 litros de gasolina, o que resultou na média de 35,83 km/litro. Esse roteiro foi feito com garupa, o que permite avaliar melhor o desempenho da motocicleta em várias situações na rodovia.

No feriado de 1o. de Maio de 2017 fizemos um passeio passando por Nerópolis, Ouro Verde, Campo Limpo, Anápolis, Teresópolis de Goiás e retornando a Goiânia - GO na tarde do mesmo dia.


Continuando com a série de passeios que normalmente fazemos dessa vez resolvemos ir até a cidade Goiás - GO, antiga capital do estado de Goiás. Antigamente, na época do Brasil Colônia, a cidade era chamada Vila Boa de Goiás.

Viagem à cidade de Goiás - GO, em 24 de Maio de 2017.

O link seguinte refere-se ao álbum de fotos desse nosso passeio: https://onedrive.live.com/?id=F4596AEAEF09CF68%214601&cid=F4596AEAEF09CF68

Fizemos um passeio bastante interessante.  Aproveitamos o feriado municipal em Goiânia - GO (no dia 24/05/2017) para irmos até a antiga capital do estado.

Seguindo com os nossos passeios e consolidando uma certa tradição do nosso grupo de amigos, em 04/06/2017 fomos até Olhos D´Água (distrito de Alexânia - GO). Mais uma vez para prestigiar a Feira do Troca na sua 88a edição.


A Yamaha Téneré 250 rodando pela BR-060, nas proximidades de Anápolis - GO, no dia 04 de Junho de 2017.

A Yamaha Téneré 250 rodando pela BR-060, nas proximidades de Anápolis - GO, no dia 04 de Junho de 2017.

Eu estou gostando muito do desempenho da Yamaha XTZ 250 Ténéré na sua versão Blueflex, ano e modelo 2017. Nessa fase de amaciamento tenho rodado preferencialmente em rodovias, e com garupa. Algumas constatações ficam claras: o motor tem um funcionamento muito macio, o escapamento emite um som agradável aos ouvidos e as retomadas de velocidade são bem satisfatórias.

Trata-se verdadeiramente de uma trail em todos os quesitos considerados, com sua rodagem de 21 polegadas na dianteira e 18 polegadas na traseira, e com ótima autonomia.

O link para o álbum de fotos é o seguinte:

 https://onedrive.live.com/?id=F4596AEAEF09CF68%214654&cid=F4596AEAEF09CF68


Entre os dias 14 e 18 de Junho de 2017 eu e Theresa realizamos uma viagem - Caminho do Ouro - com os amigos Mauro e Célia.  Esse roteiro idealizado pelo amigo Mauro Gomes privilegiou uma região do Estado de Minas Gerais rica em história.

Os caminhos entre as montanhas mineiras oferecem aos apreciadores da Natureza uma beleza ímpar, e viajar de moto apreciando aquelas vistas deslumbrantes é um privilégio reservado aos que lá demandam.

Para mim foi uma bela oportunidade de fazer uma viagem com a Yamaha Ténéré 250 completamente equipada, com a Theresa na garupa, por essas montanhas mineiras. Assim vou adicionando quilômetros rodados em estradas diversas, e ao mesmo tempo continuando com o processo de amaciamento do motor de minha moto.

A Yamaha Téneré 250 rodando pela BR-060, nas proximidades de Anápolis - GO, no dia 04 de Junho de 2017.

Caminho do Ouro - viagem realizada em Minas Gerais de 14 a 18 de Junho de 2017.

A Yamaha XTZ 250 Ténéré Blueflex vem me surpreendendo positivamente em todos os sentidos, quer seja pelo porte, como também por vários outros aspectos: desempenho com baixo consumo de combustível, facilidade de pilotagem, estabilidade quando rodando com garupa e completamente carregada, retomada de velocidade, etc.

Isso tudo ficou claramente evidente quando cheguei ao término desse roteiro percorrido nas montanhas de Minas Gerais (Caminhos do Ouro). Percorremos 2.261 quilômetros em cinco dias, circulamos pelas principais cidades históricas do estado, principalmente aquelas ligadas à exploração de ouro e outros minérios.

Cálculo do consumo médio de combustível durante a viagem: 2.261 quilômetros / 69,14 litros = 32,71 km/litro. No primeiro trecho da viagem (Goiânia - GO a Luziânia - GO) eu consegui alcançar a média de consumo de 38,05 km/litro (196,7 km / 5,17 litros).

Alguns detalhes do desempenho do motor da minha Yamaha Ténéré 250: durante a viagem de retorno a Goiânia - GO pude observar que em trechos planos e sem vento a moto alcançava 90 km/h em quinta marcha com o tacômetro indicando 6.000 rpm. Quando eu acelerava um pouco, com o tacômetro indicando 6.500 rpm a moto atingia facilmente os 100 km/h.

Imagem do velocímetro e tacômetro da Yamaha Ténéré 250 em viagem.

Consequentemente fica fácil viajar numa velocidade de cruzeiro em torno dos 110 km/h com o tacômetro na faixa situada entre os 7.000 e 7.500 rpm. Não podemos nos esquecer que a faixa vermelha da Yamaha XTZ 250 Ténéré Blueflex começa em 10.000 rpm.

Mantendo a nossa saudável rotina de fazer pequenos passeios pela nossa região, entre as viagens maiores que realizamos, fomos no domingo (09/07/2017) a Trindade - GO e de lá ao Restaurante Casarão, localizado às margens da rodovia BR-060 no município de Cezarina - GO.

Parte do grupo de amigos no Restaurante Casarão (Cezarina - GO - rodovia BR-060), no dia 09 de Julho de 2017.

Parte do grupo de amigos no Restaurante Casarão (Cezarina - GO - rodovia BR-060), no dia 09 de Julho de 2017.

Nosso grupo era composto de onze pessoas (quatro casais e três amigos viajando solo) em sete motocicletas (três Yamaha XTZ 250 Ténéré, uma Yamaha XTZ 250 X (Motard), uma Kawasaki Vulcan 650, uma Harley-Davidson 1.650, e uma Honda Shadow 600. Nesse roteiro rodamos em torno de 190 quilômetros no total. A minha Yamaha Ténéré completou esse percurso consumindo 4,85 litros de gasolina, o que resultou na média de 39,17 km/litro.

Álbum de fotos:

 https://onedrive.live.com/?id=F4596AEAEF09CF68%214766&cid=F4596AEAEF09CF68



Movimento Paralelo Respeito ao Motociclismo e Capital Moto Week 2017


Nos últimos anos eu tenho comparecido ao evento Capital Moto Week (Moto Capital) em Brasília - D.F. juntamente com o meu grupo de amigos; a minha maior motivação é estar entre amigos e poder observar e fotografar motos diferentes. Nesse ano de 2017 surgiu uma novidade no panorama motociclístico brasileiro, simultâneamente ao 
Capital Moto Week teremos o evento Movimento Paralelo. Segundo os organizadores desse último, o Movimento Paralelo surgiu para resgatar os valores e ideais originais do Motociclismo.

Dessa forma estivemos em Brasília - D.F. no sábado, 29/07/2017, e fomos aos dois eventos.  Primeiramente nos dirigimos ao Autódromo Nelson Piquet, para prestigiarmos o
 Movimento Paralelo, e em seguida rumamos para a Granja do Torto onde acontecia o Moto Capital 2017.

Capital Moto Week 2017

A meu ver, quando um evento como o Capital Moto Week assume proporções gigantescas e só comparáveis aos eventos norte-americanos de Sturgis e Daytona Bike Week, é chegada a hora dos organizadores pensarem seriamente em como evitar que o aspecto comercial se sobreponha e prevaleça sobre o apelo de uma reunião livre de motociclistas.

A fim de atender a essa demanda por uma reunião livre e espontânea de motociclistas surgiu o evento Movimento Paralelo.

Estivemos nos dois eventos: analisando os fatos com a isenção que a situação demanda, podemos dizer que esse
Movimento Paralelo optou por realizar o evento no mesmo período do Capital Moto Week 2017 e não atingiu os objetivos pretendidos.  Muito melhor seria escolher uma outra data, em outra época do ano, e realizar um evento que atraísse o público motociclista para o mesmo.
 
Entretanto, mais uma vez o Capital Moto Week 2017 se superou em relação ao ano anterior e o que nós presenciamos foi um evento extremamente agradável e organizado.  Motociclistas de todos os cantos do Brasil e de países vizinhos se fizeram presentes, enfim,  foi uma grande festa!

Álbum de fotos : https://onedrive.live.com/?id=F4596AEAEF09CF68%214815&cid=F4596AEAEF09CF68




O final de semana relativo aos dias 19 e 20 de Agosto de 2017 foi movimentado para mim. No sábado (19/08/2017) estive visitando os bastidores do 25o Rally dos Sertões, no Autódromo Internacional de Goiânia - GO. Esse é um evento grandioso e muito bem organizado, o qual festeja a sua 25a edição, sendo que por 15 vezes privilegiou Goiânia - GO como ponto de partida.

Link para o álbum de fotos dos bastidores do evento:  https://onedrive.live.com/?id=F4596AEAEF09CF68%214877&cid=F4596AEAEF09CF68 

No domingo (20/08/2017) fiz um passeio com amigos no roteiro Goiânia - Trindade - Goianira - Brazabrantes - Nova Veneza - Goiânia - GO. Foi um passeio bastante agradável, no qual fomos brindados com a beleza da Natureza dos ipês floridos ao longo de nosso trajeto.

Magnífico ipê (Tapebuia alba) florido, nas imediações de Brazabrantes - GO, manhã de 20/08/2017. Foto tirada por minha esposa Theresa.

Magnífico ipê (Tapebuia alba) amarelo florido, nas imediações de Brazabrantes - GO, manhã de 20/08/2017. Foto tirada por minha esposa Theresa.

Yamaha XTZ 250 Ténéré 2017 é uma moto com um porte imponente, e no caso da minha motocicleta os equipamentos que ela possui complementam e ressaltam esse porte.  É interessante observarmos a evolução das motocicletas trail nos últimos vinte anos, e a comparação visual que faço a seguir serve para demonstrar esse fato.

Honda NX 350 Sahara, 1997 e Yamaha XTZ Ténéré 250, 2017 Suzuki DR 650, 1997 e Yamaha XTZ Ténéré 250, 2017. Suzuki DR 650, 1997 e Yamaha XTZ Ténéré 250, 2017.

A partir da esquerda: Honda NX 350 Sahara, 1997 e a minha Yamaha XTZ 250 Ténéré Blueflex, 2017. A foto do meio e a da direita mostram uma Suzuki DR 650, 1997 ao lado da minha
Yamaha XTZ 250 Ténéré Blueflex, 2017.

Outra foto da minha Yamaha Téneré 250 ao lado de motos de maior cilindrada também serve para mostrar como a mesma se impõe pelo design e pelo porte que possui.

Eu ao lado de minha Yamaha XTZ Ténéré 250 e outras motos na Av. Paranaíba, em Goiânia - GO.

Eu e a minha Yamaha XTZ 250 Ténéré Blueflex, 2017 no Encontro Semanal de Motociclistas - Av. Paranaíba - Goiânia - GO.




Motocicletas nas ruas de Lisboa, Cascais e Sintra (Portugal) e Londres, Windsor (Inglaterra)


Durante parte dos meses de Setembro e Outubro de 2017 estive em férias com a família em Portugal e na Inglaterra.  Aproveitei todas as oportunidades que tive para registrar em fotografias as motos que vi por onde passei. Após organizar essas fotos em álbuns disponibilizei os mesmos para todos que acessam esse website.

Listo a seguir os links dos respectivos álbuns:

Motos nas ruas de Lisboa - Setembro 2017: https://onedrive.live.com/?id=F4596AEAEF09CF68%214976&cid=F4596AEAEF09CF68

A utilização das motos como meio de transporte diário já é uma tradição européia centenária, e a incorporação dos scooters a essa frota de veículos de duas (e até três rodas) fortaleceu ainda mais o setor. Fiquei surpreso com a quantidade e variedade de tuk-tuks nas ruas de Lisboa, Cascais e Sintra.  A maioria deles é constituída de triciclos fabricados pela Piaggio, vários outros de maior porte são triciclos elétricos de fabricação chinesa.

Motos nas ruas de Londres - Setembro / Outubro 2017: https://onedrive.live.com/?id=F4596AEAEF09CF68%215094&cid=F4596AEAEF09CF68

Os britânicos em geral tem uma ligação muito forte com o motociclismo. A indústria britânica, com suas inúmeras marcas, contribuiu e ainda contribui muito ainda para o motociclismo mundial.  A presença de motos e scooters nas ruas, mesmo nos meses de clima mais frio (outuno e inverno) é considerável.

Ace Cafe London - Outubro 2017: https://onedrive.live.com/?id=F4596AEAEF09CF68%215345&cid=F4596AEAEF09CF68

Durante a minha visita ao Ace Cafe London fui transportado de volta aos anos dourados do motociclismo mundial (anos 1950, 1960 e 1970). As motos que lá chegaram sendo conduzidas por seus proprietários teriam lugar de destaque em qualquer museu ou coleção do mundo. Vários exemplares das várias marcas inglesas, japonesas, além de outras européias presentes no local na manhã de sábado (07/10/2017) alegraram o meu dia, e enriqueceram imensamente a minha visita ao local.

Brooklands Museum - Outubro 2017: https://onedrive.live.com/?id=F4596AEAEF09CF68%215189&cid=F4596AEAEF09CF68

No Brooklands Museum pude constatar a importância histórica da indústria britânica no desenvolvimento do automobilismo e motociclismo mundial. A qualidade e variedade das motos, carros e também bicicletas lá expostos salta aos olhos dos visitantes.

Motos em revendas multimarcas de Londres - Outubro 2017: https://onedrive.live.com/?id=F4596AEAEF09CF68%215293&cid=F4596AEAEF09CF68

Nessas revendas visitadas pude observar uma enorme variedade de marcas européias, tanto as tradicionais quanto outras de lançamento recente. Notei uma predominância de motos de pequeno porte bem como scooters, a maioria de 125cc. Todas elas incorporando tecnologia de ponta, e várias delas com design retrô.


Km Total (até 19/10/2017) Km em rodovias
5.045 4.350



Página inicial do site